PIB da China cresce 0,4 no segundo trimestre; lockdown influencia

PIB da China cresce 0,4 no segundo trimestre  

Publicidade

Segundo dados oficiais divulgados nesta sexta-feira, 15, a desaceleração ocorreu por causa de restrições provocadas pela Covid-19. Especialistas projetavam um aumento entre 0,9% e 1% neste mesmo período.  

Publicidade

A queda, no entanto, foi de 2,6% no segundo semestre em relação aos três meses anteriores. A estimativa de queda era 1,5% e o ajuste da taxa de crescimento, 1,4% no trimestre anterior. 

Em análises que consideram uma base anual, o período entre abril e junho apresentou 0,4% de alta, a previsão projetava 1%, portanto, a desaceleração no primeiro semestre foi de 4,8%. 

Nessa mesma direção, o crescimento do PIB ficou em 2,5, enquanto a meta do governo girava entorno de 5,5 para este ano.  

O vai e vem dos números e projeções ocorre por causa do fechamento imposto à Xangai, principal centro comercial do país, e a outros polos econômicos. No último semestre, Xangai registrou contração anual de 13,7% do PIB nos últimos três meses.  

Indústria cresce com timidez  

Segundo dados também divulgados nesta sexta-feira, 15, o gigante asiático teve crescimento de 3,9% na sua indústria, dado sobre junho em relação ao ano anterior. Analistas previam aumento de 4,1%. O aumento para o mês de maio ficou em 0,7%.  

Varejo surpreende 

Após alta de 3,1% em junho em comparação ao ano anterior, o crescimento é o mais rápido em 4 meses, ocorreu após suspensão das restrições que duraram dois meses. 

As vendas no varejo para o mês de maio tiveram queda de 6,7%. A alta surpreendeu analistas, que previam taxa nula de crescimento.  

Desemprego 

Em pesquisa nacional é possível analisar tímida mudança. Taxa de 5,9% em maio, 5,5% em junho. O oposto ocorre no desemprego entre jovens; 19,3% em junho, 18,4% em maio.  

Setor imobiliário enfrenta dificuldades 

Falta de investimento e aumento de inadimplentes explicam situação instável do setor. O preço dos imóveis caiu 0,5% em comparação ao ano anterior, acentuando a taxa do mês passado; 0,1%. A tendência se repete nos investimentos. Junho teve queda de 9,4% e piorou dados de maio, 7,8%. As vendas de imóveis ampliaram queda para 18,3% no mês passado.

 

Saiba mais:https://financaseinvestimentos.boasideias.com.br/pib-pode-ser-revisado-para-20-nesta-quinta-feira/

 

Saneamento não chega a 35 milhões de pessoas

 

Com inflação em alta, brasileiro adota novas estratégias para fazer compras

Publicidade

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.


*